terça-feira, 5 de maio de 2009

"Nenhuma folha cai das árvores, nenhum fio de cabelo se desprende de uma cabeça, sem que Deus o saiba."

Imagine a vida sem um motivo aparente pra poder passar seu precioso (ou não) tempo...
É como se tirassem suas meias naquela noite fria, quando você toma um banho quente antes de dormir, mesmo sabendo que ao sair do banheiro, os calafrios virão. Como um ventilador quebrado numa tarde quente, quando volta pra casa correndo, sabendo que o suor é inevitável. Como a fila de espera na clínica dentária, quando a única coisa que ocupa sua mente é a enorme dor de dente que te aflige. E se queixar seria como dar as mãos ao mau humor e sair correndo sem direção.

No último domingo, eu passei por uma coisa que, na verdade, temia. E nunca gostei muito desse meu lado fraco, pessimista, em achar que daqui a cinco dias estarei chorando, sendo que minhas lágrimas começam cair a partir de hoje. Ao entrar em casa, vi minha mãe e não pude encará-la de outra forma, a não ser com um sorriso no rosto. Agi normalmente, friamente diria. E, lavando a louça, a única coisa que eu queria era deitar na minha cama e poder cometer um suicídio emocional em paz. Então, o fiz.

Mas dessa vez, foi diferente.

Sentei-me na cama e minha expressão já não era a mesma. Minha respiração se ofegou rapidamente, e não conseguia ouvir nada além de meus finos e delicados gemidos, já que o silêncio do início da madrugada invadia meu apartamento. A primeira coisa que passou pela cabeça foi "meu Deus, por que tudo isso, de novo, comigo?" e daí em diante, segui com uma seqüência de perguntas inquestionáveis à Ele. Quando notei que estava me comportando infantilmente, da mesma forma como agia das outras vezes em que estive naquele estado, comecei a dialogar com Deus de uma forma mais madura. Disse tudo o que, naquele momento, machucava meu coração, e cada lágrima que eu derramava, sentia um parte de mim indo embora, injustamente, novamente, gerando milhares de emoções incontroláveis e inexplicáveis dentro de mim. Uma das coisas mais inteligentes que pude ter feito foi pedir com toda a minha fé "força", "paz interior" e "sinais"... Em meio a esse desespero, paralisei, e notei que Deus não iria descer naquele momento me dando um abraço e conforto com palavras divinas e milagrosas (por mais que minha vontade tivesse sido essa!). Foi quando terminei de orar, soltando as primeiras frases que meu coração insistia em transbordar, e quando meus olhos já inchados não puderam mais controlar minha ânsia de expulsar, através deles, minha angústia... e meu ursinho de pelúcia, inanimado, me olhou sem me ver e eu o abracei, já que não havia ninguém por perto, me vi num momento que chamam de "estar em transe com o Espírito santo". Naquele exato instante, eu senti meu corpo saindo de mim, como se Deus estivesse exatamente do meu lado (o que não duvido nem um pouco!) e tivesse aplicado morfina no meu coração. Eu anestesiei, por um momento até fiquei com medo, pensei que fosse desmaiar, ter um ataque cardíaco, ou qualquer coisa do tipo, mas logo alguma força divina tirou isso dos meus pensamentos. Então coloquei a faixa nos olhos, abracei meu travesseiro e meu ursinho de pelúcia, me deitei e dormi, sem conseguir pensar em mais nada. Naquele momento, senti que minhas preces haviam sido atendidas, como se Deus tivesse feito um milagre em mim, acalmando meu coração e dizendo "não chore mais minha filha, não hoje, não essa noite... depois de tudo que fez, descanse e paz."

No dia seguinte, os "sinais" apareceram, e através de cada um deles, pude ver as impressões digitais de Deus.

Como explicar certas coisas? Eu prefiro nem procurar palavras, porque nenhuma teria um sentido capaz de descrevê-las.

Mas aprendi que imaginar a vida sem um motivo aparente pra poder passar seu precioso (ou não) tempo, é inevitável! Queremos segurar o mundo com duas mãos, mudar de postura da noite pro dia, atropelar sentimentos alheios de forma crítica, que pode ser evitada, mas o fazemos mesmo assim, e nada é o suficiente, por mais que tudo seja esplêndido. Reclamamos, criticamos, resmungamos, de "barriga cheia".
Às vezes temos o amor de nossas vidas em nossos braços, e estamos num intenso silêncio, apenas ao som de uma respiração serena, que mostra o quão especial é aquele simples momento, mas na semana seguinte, alguém muito mal vem e tira esse sorriso crônico de você... quando o que você mais queria era passar o resto dos seus dias, naquele silêncio perfeito.

Nesses últimos três dias eu aprendi coisas e notei uma personalidade minha que, antes, não existia. Eu cresci com os obstáculos que já pude ultrapassar. Agora, da mesma forma que lido com meu lindo bom humor, lidarei com meu "momento fossa". Porque assim como um dia me vi extremamente feliz e essa felicidade foi embora, a tristeza me deixará extremamente derrotada, mas um dia também me deixará em paz. Afinal, tudo passa, e absolutamente nada é em vão.

Quero agradecer às pessoas próximas que, com apenas algumas palavras, fizeram disso tudo uma lição, antes vista como fracasso. Obrigada a cada uma de vocês, estaria até agora fazendo perguntas inquestionáveis sem o suporte que me deram.

Karla Moreno

9 comentários:

Atreyu disse...

Momentos melhores virão!!!
Tenha fé! Pense sempre positivo.. sabe, momentos difíceis são complicados e é sempre parecem ser derradeiros.
=/
Amigos tão pra essas horas

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Olha,
a palavra parada;
Luta,
por letras ocultas;
Ouça,
os versos internos
Solta,
a nudez poética;
Escreva-se,
poesia
ao menos um dia,
Seja.

(Maísa)

Desejo uma linda semana com muito amor, esperança e carinho.
Abraços.
Eduardo Poisl

MateusDka disse...

É bem do tipinho d'Ele fazer essas coisas... tsc tsc tsc... A gente sabe que não adianta se descabelar, que é só sentar e falar com ele. E mesmo assim Ele espera a gente terminar todo o drama, e ainda nos guia para a Verdade... É uma forma irônica e bondosa de nos mostrar que sempre soubemos a resposta, e Ele sempre soube que procurávamos por ela... Adoro o Divino Senso de Humor que Ele usa para operar nosso destino.

Que bom que tenha descoberto isso, também! ^^

Madamefala disse...

"Como explicar certas coisas? Eu prefiro nem procurar palavras, porque nenhuma teria um sentido capaz de descrevê-las."

Essa frase justifica tudo!!!!!
Apontar uma palavra é limitar o sentido...


O texto ta lindo...

Brigada pelas visitas gatona!mega beijo no teu coração!!

Allan disse...

Neither thoughts they might have, wishing me bad.

Essa bad trip nunca vai ser demorada, tem os amiguinhos sempre ao seu lado, vc é mais forte do que qualquer outra pessoa, sempre vai ficar bem =)

Lembra do que o tio Dost falava?
"A tristeza acompanha sempre uma mente elevada e um coração profundo..."

Big choco kisses coined mais gorgeous =)

Anônimo disse...

sem a permissão de Deus!” Escrevemos isso em cartas, na internet e até em livros! Mas será? Onde está? Em qual parte da Escritura você leu?

Pois é! No fim de semana, véspera de carnaval, um irmão de São Sebastião, o Iranes, me fez essa pergunta, e eu prontamente respondi: “Tem sim! Está no novo testamento!”
Procuramos nas chave bíblica e nada! Na Bíblia de estudo também. Nem na net nós achamos. Foi quando atinei, ao pesquisar, que o problema pode ter começado de uma tradução do texto em inglês! Na versão Weymouth New Testament (uma tradução com mais de 350.000 citações no google) está assim:

Matthew 10:29: Do not two sparrows sell for a halfpenny? Yet not one of them will fall to the ground without your Father's leave.
Como verbo, “leave” pode ser traduzido por “deixar” Ex: leave me alone! = Me deixe em paz!
Como substantivo, “leave” pode ser traduzido por “folha” Ex: The leave fall = A folha cai!
O que pode ter acontecido é que algum leitor inexperiente tenha traduzindo o termo “leave” como substantivo, sem considerar o resto do texto (talvez uma tradução rápida) e não percebeu que “leave” aqui é um verbo “...without your father’s leave” (“sem que seu pai deixe” ou “sem a permissão de seu pai”!) O mais importante saber é que isso está escrito ao final de uma afirmação que retoma um enunciado anterior! O texto diz: “...Yet not one of them will fall to the ground without your Father's leave.” (“...Ainda nenhum deles cai sem que seu pai permita”).
Aqui nos cabe a pergunta: deles quem? Voltando ao início do verso vamos encontrar a quem se refere esse pronome “deles”: “Do not two sparrows sell for a halfpenny?” (“não são dois pardais vendidos por meio centavo?”). Fica mais clara a possível confusão de termos se consideramos esses fatores linguísticos,. Não creio também na possibilidade de que seja uma paráfrase de algum outro texto, pois a tradução manteve toda a estrutura restante do versículo (verso 30: “E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados”), o que pode ser verificado nas inúmeras citações espalhadas pela internet e outros meios de comunicação! Podemos então concluir que o texto bíblico sempre falou unicamente dos “pardais que Deus não deixa cair sem sua permissão”, e não de supostas “folhas” (o que, porém, não deixa de ser verdade!)
(Mateus 10:29) - Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? e nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai.
Texto: David de O. Lima, instigado por Iranes Aparecido Ramos.
http://evangelinus.blogspot.com/2007/06/nenhuma-folha-cai-sem-permisso-de-deus_8313.html

Anônimo disse...

sinceramente, me apaixonei contigo, linda d+! show de bola seus textos.

Mateusão - BH - MG

*** Nay Abufaiad *** disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

maneiro, descobri o site bem por acaso (estava atrás da citação bíblica a respeito das folhas caindo... - é para um texto meu, não sou nada católico, tô mas pra curioso-espiritualista-que-se-amarra-nuns-lances-budistas), confesso que fiquei um pouco surpreso de ler um texto sensível e "cabeça" assim de uma menina de 18 anos. E bem nessa tua idade (hoje tenho 32) tive uma crise meio parecida com a do teu relato (que de certa forma é corriqueira, mas nesse esquema talvez nem tanto), acho na real que ela é um bom sinal (apesar de sofrido), ser sensível nesse mundo dá um certo trabalho, tem que correr atrás... Enfim, falei muuito (nunca tinha me comunicado assim na internet), boa sorte na tua jornada e parabéns, fernando (como dica, dá uma olhada nos livros do gaiarsa - ou coloca o nome dele no youtube)