segunda-feira, 10 de agosto de 2009

"...Pra sempre" não, "pra hoje", "pra agora"...

Uma flor que nasce, por mais linda e cheirosa, certamente morre. O sol que vem, por mais radiante e caloroso, uma hora se esconde. Um amor que surge, por mais inesquecível e verdadeiro, um dia se transforma.
Nada nessa vida é definitivo, eterno. Mas estamos acostumados a dizer "...pra sempre" no fim de um "Era uma vez...". História fiada!
Nessa vida, as coisas acontecem pra nos mostrar como devemos encarar as coisas que ainda teremos pela frente. É como se fosse uma onda atrás da outra, em incrível sintonia, que nos prepara, nos deixa mais fortes pra ondas futuras. Por isso falamos "o que não mata, fortalece", "o que vem de baixo, não atinge", como se fossemos super-heróis, imunes, bravos, independentes, de pedra. E a verdade é que não somos nada. Somos um monte de pele, sobre músculos e órgãos, com um cérebro pensante, muitas vezes inutilizado, um coração burro, que guia um par de olhos, na maioria das vezes cegos, e daí se explica uma seqüência de acontecimentos absurdos em relação ao assunto que não gera ondinhas, e sim um tsunami: o amor.

Eu tenho o hábito de dizer que nada acontece por acaso, e adotei a filosofia que temos o tipo de relação que merecemos ter: o homem tem a mulher que merece e vice-versa. Mas quem sabe quem merece quem e por quê? Você pode passar um bom tempo solteiro(a), e por isso, a culpa seria sua? Muito louco isso! Só sei que, de um jeito ou de outro, tudo é movido por escolhas. Você escolhe aquela roupa pra sair hoje à noite, e sabe que vai estar lá aquele carinha interessante, no local, chega perto do dito cujo como quem não quer nada e escolhe aquela bebida formal, começa uma conversa e escolhe aquele assunto, e no fim das contas, sem truque nenhum, se suas escolhas foram bem sucedidas, só resta descobrir se o carinha foi a escolha certa. Mas verá que nada é por acaso, como eu disse. Regra n° 1: nunca se arrepender do que faz, só do que deixou de fazer sabe-se lá por que.

Você pode correr ou caminhar, o mundo vai continuar girando na mesma velocidade. Você pode achar que nada dá certo, que tudo conspira contra, as estações continuam passando. Você pode ganhar ou perder, as lições sempre vêm depois de um tempo, e quando você perde, elas não costumam ser legais de serem sentidas. Você pode pensar em desistir, tentar, voltar atrás, e no meio dessa confusão toda, a noite vira dia e vice-versa. O mundo não pára pra você descer, ninguém espera pra você fazer a coisa certa, tudo acontece e as conseqüências te mostram os resultados. Os resultados te mostram onde errou e acertou. E a vida te ensina que entre erros e acertos, existe a pessoa que está dentro de você.

Uma pessoa que não é só carne, só sonhos, você é realidade. E diz “era uma vez...” sabendo que o “pra sempre” é mera banalidade.
Porque acreditar é natural do ser humano, mas te fazer acreditar naquilo que não podem concretizar, é covardia.

Então viva, dia após dia, cada um, como se fosse o último, e assim, não terá tempo pra se preocupar com o que vem depois.

Karla Moreno

7 comentários:

EDUARDO POISL disse...

De tudo ficaram três coisas...
A certeza de que estamos começando...
A certeza de que é preciso continuar...
A certeza de que podemos ser interrompidos
antes de terminar...
Façamos da interrupção um caminho novo...
Da queda, um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro!

Fernando Sabino

Hoje passei pra deixar um poema para refletir e desejar uma semana linda com muito amor e carinho.
Abraços.

Nathália Monte ;D disse...

amei.o segundo melhor texto que li nessa noite..e eu li muito viiu..kkk

parabéns viiu.
beijO chuchu ^^

Bruna disse...

Ameeei o seu Blog.É liiindo de maaais *---*
estou te seguindo ok?Irei voltar sempre.

Beijos :*

Ariane Garcia' disse...

Tem selinho no 'Fique a vontade meu bem'
Gataa '

Beijos

E.Suruba disse...

Gostei
:)
e daí se explica uma seqüência de acontecimentos absurdos em relação ao assunto que não gera ondinhas, e sim um tsunami: o amor.
UI

EDUARDO POISL disse...

Ninguém tem culpa
Daquilo que não fomos
Não ouve erros

Nem cálculos falhados

Sobre a estipe de papel;
Apenas não somos os calculistas
Porem os calculados

Não somos os desenhistas
Mas os desenhados
E muito menos escrevemos versos
E sim somos escritos

Ninguém é culpado de nada
Neste estranhar constante
Ao longe uma chuva fina
Molha aquilo que não fomos...

Autor: Desconhecido
Um lindo final de semana com todo carinho para você.
Abraços

A.S. disse...

Karla,

"Então viva, dia após dia, cada um, como se fosse o último, e assim, não terá tempo pra se preocupar com o que vem depois."

É exactamente assim que deve ser encarada a vida!
Excelente o teu texto!


Beijos...