domingo, 9 de maio de 2010

No rodapé do meu quarto

Fiz a promessa de te fazer feliz. Pra mim mesma. Numa tarde qualquer. Pensando na gente sorri e percebi que era puro, como nada que pude comparar no meu passado. Comparação boa essa de não ter com o que comparar. Tranquilizei-me porque minha respiração ficou lenta e eu continuei sorrindo depois disso. E sorrir nos dias de hoje é quase raridade, sorrir e depois sorrir da mesma coisa, é relíquia. De repente um medo me transbordou. O sorriso ficou de lado e os olhos se perderam no rodapé do meu quarto: medo de que? Lembrando de você me deu um arrepio que até a espinha chorou: te perder seria trágico! Ah, o medo. A imaginação ficou até perturbada, sua imagem longe de mim é quase uma tortura. O que seria de uma menina como eu, sem um menino como você? pensei. Parei de tentar adivinhar, continuei olhando pro rodapé e fixei. Que momentos bons vivemos, quanta vontade de ficar junto, perto, próximo. E nada era suficiente. Mas longe é tudo tão singular. Que medo esse de te perder. Sorrimos, choramos, nos enxugamos. As mãos sempre dadas, os ciúmes recíprocos, as melhores reconciliações. E distante as lembranças martelam querendo me deixar aflita. É o tal medo. Sou diferente de antes, menos calculista, mais conservadora. Sou a pessoa que você moldou pro mundo. E não sei porque você fez isso. Foi pra você? Foi pra mim? Eu te olho de um jeito que dá vontade de chorar, não sei se mereço! Que desespero. Quanto amor! Não cabe em mim.

Fiz a promessa de te fazer feliz. Por você, vale o risco. Tenho provas de que não é um sonho. Mas se for, não ouse me acordar. Senão vai estragar tudo que eu deixei no rodapé do meu quarto.

Karla Moreno

2 comentários:

''Tay' disse...

Simplismente perfeito *-*
adorei.

bjus =*

Gii disse...

Amei!
"E sorrir nos dias de hoje é quase raridade, sorrir e depois sorrir da mesma coisa, é relíquia."